Notícias

13.jun.2017 RSS Senge

Senge apoia greve dos servidores de Curitiba contra “pacotaço” da Prefeitura

Projeto da prefeitura em votação na câmara prejudica mais de 30 mil servidores com suspensão de planos de carreira, mudança da data-base, congelamento de reposição salarial e saque de R$ 600 milhões do instituto de previdência.

O Sindicato dos Engenheiros no Estado do Paraná (Senge-PR) manifesta apoio aos mais de 30 mil servidores na greve da categoria contra o chamado “pacote de maldades” da prefeitura. Como uma entidade que atua na defesa dos trabalhadores, o Senge sempre manterá firme posição e ideal contra retrocessos de direitos.

Servidores lutam pela retirada do projeto que prejudica carreira no funcionalismo municipal. Foto: Gibran Mendes

Servidores lutam pela retirada do projeto que prejudica carreira no funcionalismo municipal. Foto: Gibran Mendes

Em greve desde esta segunda-feira (8), os servidores municipais lutam pela retirada do “plano de recuperação de Curitiba”, projeto enviado pela prefeitura à câmara contendo 12 medidas de ajuste fiscal para “conter a crise econômica”. Na prática, o pacote contém ações que promove retirada de direitos e congelamento do reajuste dos servidores municipais.

Sem diálogo com os trabalhadores, o projeto é atropelado na câmara em tramitação sob regime de urgência. Dentre as medidas, destaca-se a de suspensão do plano de carreiras, que afetará drasticamente o futuro dos servidores. O projeto, que tramita sob número 005.00196.2017, altera ainda a data-base dos trabalhadores, afetando o reajuste, e congelando direitos como 13.º salário, auxílios refeição e funerários e licença-prêmio.

Em outro projeto do “pacote de maldades” atinge a aposentadoria e o Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Curitiba (IPMC), com um saque de cerca de R$ 600 milhões feito pela prefeitura, redução em 50% da taxa patronal de recolhimento da aposentadoria e aumenta de 11% para 14% o percentual de contribuição dos servidores à aposentadoria.