Senge Jovem - Notícias

16.fev.2017 RSS Senge

Plano de trabalho do Senge Jovem é tema de reunião com pró-reitor de extensão da UFPR

Assistência técnica às comunidades carentes, promoção de debates sobre o futuro da profissão e realização de ações que envolvam as várias modalidades de engenharia em projetos voltados ao desenvolvimento da sociedade são alguns dos objetivos da extensão universitária.

A engenharia solidária como um dos elementos de extensão universitária foi um dos temas debatidos na reunião do Senge Jovem com o pró-reitor de extensão e cultura da UFPR, Prof. Dr. Leandro Franklin Gorsdorf, nesta quarta-feira (15). No encontro, com participação do diretor do Senge, Cícero Martins Júnior, e dos integrantes da coordenação estadual do Senge Jovem, André Munhoz e Anderson Mendes, apresentaram alguns projetos para a integração da comunidade acadêmica à sociedade.

ss

(Da esquerda para a direita) Prof. Dr. Leandro Franklin Gorsdorf, Anderson Mendes, Cícero Martins Júnior e André Munhoz

 

Eleito no último ano para assumir a pró-reitoria, Gorsdorf apresentou para o Senge Jovem os desafios que terá à frente do setor de extensão e cultura, sobretudo com a creditação da extensão no currículo. O pró-reitor também comentou sobre a necessidade de trazer eficácia ao sistema de avaliação de programas e projetos dentro dos contextos de extensão que existem na universidade, sem perder a qualidade do que já vem sendo realizado na UFPR.

Assistência técnica às comunidades carentes, promoção de debates sobre o futuro da profissão e realização de ações que envolvam as várias modalidades de engenharia em projetos voltados ao desenvolvimento da sociedade são alguns dos objetivos da extensão universitária. E é justamente pelas ações de atendimento à comunidade realizados pelo Senge Jovem que o diretor do Senge, Cícero Martins, defendeu na reunião o programa do Sindicato dos Engenheiros como uma prática de extensão.

“O Senge Jovem se consolida por suas ações de engenharia solidária, com práticas de atendimento à comunidade acadêmica, com palestras e debates que promovem o desenvolvimento científico, mas também à sociedade em geral, com projetos que buscam levar a engenharia para o dia a dia das pessoas, como um gerador do desenvolvimento”.

Interação com a sociedade

Desde 2015 o Senge Jovem atua de forma a dialogar com os estudantes de extensão das universidades por meio de eventos como o Seminário de Extensão na Engenharia: Desenvolvimento Social e Justiça e a Semana do Jovem Engenheiro, e quer ampliar essas discussões com toda a comunidade acadêmica, relacionando também as empresas, poder público e o terceiro setor nessas atividades, ainda pouco conhecidas pela sociedade.

“Nós do Senge Jovem vemos a extensão como uma forma de levar o aluno à interação com a sociedade. É o momento que ele tem de sair da sala de aula e ver a consolidação do conhecimento científico, partindo para a prática, para a dimensão empírica. E acreditamos que a interação dos alunos com a sociedade aumenta na medida em que criamos grandes projetos interdisciplinares. Sem a extensão, a universidade não é universidade, não cumpre a sua função social”, afirmou na reunião o integrante do Senge Jovem, Anderson Mendes.

Em nova reunião com pró-reitor, ainda com data a ser definida para o próximo mês, o Senge Jovem apresentará um mapa da extensão universitária, com a indicação dos parceiros do projeto, integrantes de centros acadêmicos, Programas de Educação Tutorial (PETs), centros de estudos e empresas juniores. A intenção é abrir um debate sobre o modelo de extensão com a participação dos alunos, sobretudo com o desenho da creditação na grade curricular e a previsão dos 10% da grade com atividades de extensão.