Notícias

29.nov.2018 RSS Senge

Nota do Senge-PR contra a venda da Copel Telecom e da Compagas

O Senge-PR defende a continuidade do investimento público em inovação tecnológica e na oferta de serviços básicos de qualidade para os paranaenses.

Cópia de 15(20)

(Crédito das imagens, da direita para a esquerda: Pinterest e Pedro Ventura/ Agência Brasília)

O Sindicato dos Engenheiros do Paraná se manifesta contrário à privatização da Copel Telecom e da Compagas, e à venda de ativos da Copel e da Sanepar, sinalizadas pelo governador eleito do Paraná, Ratinho Junior (PSD). A declaração fez parte de entrevista concedida ao jornal Valor Econômico, nesta quarta-feira (28), durante uma viagem do futuro governador a Nova York, nos Estados Unidos.

No caso da Copel Telecom, a justificativa para a venda seria dar mais agilidade e competitividade à empresa. Os números da Telecom, no entanto, comprovam um alto índice de rentabilidade e eficiência no serviço, inclusive com crescimento acima da média do setor no Paraná. Em 2017, o número de novos assinantes dos serviços de banda larga cresceu 11,3%, comparado a 2016. Já a Copel Telecom cresceu 34% com relação ao número de assinantes.

Em um setor com altas taxas de reclamação por parte dos usuários, a adesão de mais clientes ao serviço da Copel Telecom é resultado direto da qualidade oferecida pela empresa pública. A empresa atua com tecnologia 100% em fibra óptica e foi reconhecida com a internet mais veloz, segundo o portal Minha Conexão, e como a melhor operadora de banda larga fixa no Paraná, conforme levantamento feito pela Anatel em abril de 2017. Outros prêmios que comprovam o equívoco na análise do futuro governador é o destaque no Anuário Telecom – por quatro anos consecutivos -, como uma das 10 empresas com maior crescimento de receita, e o Anuário Telesintese pelos projetos de inovação.

A Receita Operacional Líquida teve acréscimo de R$ 57,2 milhões em 2017, 17,7% a mais do que em 2016. O lucro líquido atingiu R$ 54,1 milhões no último ano, com projeção de expandir a base de clientes para melhores resultados nos próximos anos. Estes e outros dados estão disponíveis no balanço anual de 2017.

A Copel Telecom começou como um departamento da Companhia, na década de 1970, e ganha a estatura que tem hoje graças ao investimento público em pesquisa e inovação tecnológica, operada por um corpo de funcionários com qualidade profissional para atingir tais resultados. Privatizar este patrimônio é abrir mão de mais de quatro décadas de trabalho, quando o investimento passa a gerar serviços de qualidade e receita para o Estado.

No caso da Compagas, responsável pela distribuição de gás natural no Paraná, os números também são de uma empresa sustentável e em expansão. Em 2017, o número de clientes cresceu 10%, chegando a 39 mil consumidores, com lucro líquido de R$ 65,6 milhões no ano.

Para expandir a sua rede de distribuição, a Companhia investiu cerca de R$ 14,41 milhões em 2017, conforme apresentado no relatório anual da empresa.

Ainda no ano passado, por meio do Governo do Paraná e da Copel, a empresa assinou um protocolo de intenções com a transnacional norte-americana Shell do Brasil para a criação de um plano de expansão da oferta do combustível no estado – o “Plano Estratégico de Gás Natural para o Estado do Paraná”. Na ocasião da assinatura, o Senge criticou o acordo, apontando o risco da apropriação dos investimentos e da infraestrutura pública por interesses do capital privados. A sinalização de Ratinho Junior para a privatização da Companhia confirma esta tendência e acelera a entrega do patrimônio e dos investimentos públicos já realizados.

O Senge-PR defende a continuidade do investimento público em inovação tecnológica e na oferta de serviços básicos de qualidade para os paranaenses. Esperamos que haja ampla abertura e diálogo por parte do futuro governador do Estado acerca de assunto de tamanho impacto para o desenvolvimento do Paraná.